Arquivo do blog

Tecnologia do Blogger.

Salmo 127

Translate

Deixe seu recado AQUI!!!

Nome

E-mail *

Mensagem *

Salmos

"ORAI PELA PAZ DE JERUSALÉM! SEJAM PRÓSPEROS OS QUE TE AMAM. REINE PAZ DENTRO DE TEUS MUROS E PROSPERIDADE NOS TEUS PALÁCIOS. POR AMOR DOS MEUS IRMÃOS E AMIGOS, EU PEÇO: HAJA PAZ EM TI! POR AMOR DA CASA DO SENHOR, NOSSO DEUS, BUSCAREI O TEU BEM" SALMOS 122.6-9
curioso gif

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Havana – Cuba Capital da PAZ


Havana – Cuba Capital da PAZ
Ao que parece o fim de 2014 reservou gratas surpresas para a Humanidade, muito especialmente nos americanos, seja Latinos americanos ou Norte americanos.
Ontem dia 17/12/2014, um fato histórico da maior importância aconteceu.



Depois de mais de 50 anos de bloqueio economico dos EUA a ilha Cubana, comanda pelos irmãos Castro, os Presidentes Raúl Castro e Barak Obama, comunicaram a libertacão dos prisioneiros politicos, a a retomada das relacões Diplomaticas, com a possibilidade inclusive de os EUA, instalar em breve uma embaixada em Havana.




                                           Presidentes Barak Obama e Raul Castro

O desbloqueio só não foi total porque depende da aprovacão dessas medidas no congresso americano coisa que o presidente Barak Obama disse já ter encaminhado o pedido.
Se não bastasse essa noticia que trouxe muitas alegrias a toda a comunidade politica e diplomática internacional, hoje dia 18, portanto um dia após o comunicado por parte de Cuba e EUA, uma nova iniciativa de paz ecoou em Havana, capital Cubana. O encarregado das negociacões do processo de paz que esta sendo discutido a quase 2 anos em cuba, por parte do Governo Colombiano e guerrileiros das FARCS, anunciou o cessar fogo unilateral e por tempo indeterminado.




Esse conflito envolvendo o exército Colombiano e os guerrileiro das Farcs, existe a mais de 50 anos, e trata-se portanto do mais antigo conflito armado das Americas.

Pelo que parece, Havana nesse mês de Dezembro tornou-se a Capital da Paz.
Grande Presente para a Humanidade nesse fim de ano.
Oxalá essa onda de Paz, que esta iniciando nesse mês de dezembro, se perdure por todo o novo ano de 2015, e alcance a Palestina, Israel e todo o mundo.

SHALON

Viva a Paz


sábado, 23 de agosto de 2014

Crescem os Protestos Contra o Hamas em Gaza

   Componentes do Grupo estremista Hamas

A triste realidade na faixa de Gaza parece que pode mudar, se não agora, em uma questão de meses.
Palestinos que tinham medo de criticar o governo terrorista do Hamas estão aos poucos criando coragem e falando abertamente daquilo que estão passando.
As críticas foram feitas por Ziad Abu Halul, um dos oficiais do governo palestino em Gaza ao jornal Asharq Al-Awsat que é publicado em Londres.
"Hamas disparou mísseis contra Israel e não conseguiu fazer quase nenhum dado para eles enquanto aqui centenas de casas e prédios foram completamente arrasados, estamos dizendo para o Hamas, Pare com os mísseis, isto não funciona! Isto noz traz muito sofrimento!"
Além disso, um comentarista político palestino Hanny Habib, declarou que a principal pergunta é:
"Porque o Hamas não aceitou a proposta egípcia quando o número de mortos era de cerca de 200 pessoas? Agora ainda estão negociando quando o número é proximo de 2000. Enquanto nada aconteceu em Israel, o solo de Gaza se tornou em ruínas..."
Segundo a imprensa, a intensão do Egito é enviar para a faixa de gaza cerca de 5000 agentes de segurança para controlar as passagens de fronteira com Israel, desta forma a força do Hamas se enfraqueceria e a Autoridade Palestina voltaria a controlar a região.
Por enquanto não há luz no fundo do túnel, as negociações continuam no Cairo sem nenhum resultado claro.
Os palestinos em Gaza ainda se sentam nas ruas ao ver o fim de suas casas e do seu Mundo bem diante dos seus olhos...

Fonte: Cafetorah

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Hamas sofre o mais duro golpe até agora




Israel infligiu um duro golpe no movimento islamita palestino Hamas nesta quinta-feira na Faixa de Gaza, ao matar três comandantes do grupo armado. O Exército de Israel, numa operação coordenada com os serviços de informação interna, matou três comandantes do Hamas na Faixa de Gaza, em bombardeamentos durante a madrugada desta quinta-feira. Este poderá ser um golpe de força decisivo para primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, que conseguiu uma vantagem decisiva após ter sido acusado de fraqueza ao lidar com o Hamas, opina o diário hebraico Ha’aretz. As tropas israelenses entraram em confronto com os terroristas do Hamas na cidade de Khan Younis. Foi enfrentamento direto desde o início da incursão terrestre, que começou exatamente às 22h30 (hora local), após dez dias de ataques aéreos na Faixa de Gaza. Infantaria, blindados, engenharia, artilharia e tropas de inteligência estão trabalhando em conjunto, auxiliadas pelo Shin Bet e outras forças de segurança. A Força Aérea vem prosseguindo com os ataques em toda área norte da Faixa de Gaza. De acordo com fontes militares, 11 alvos terroristas foram atingidos pela aviação em um espaço de apenas duas horas. Um dos pontos de ataque foi a residência do líder da Jihad Islâmica Abdullah al-Shami, na Cidade de Gaza. "Agora estamos entrando na segunda parte da operação", declarou o porta-voz do Exército, o Brigadeiro-General Moti Almoz. "Nós demos um duro golpe no Hamas. Atacamos milhares de alvos, destruímos parte de sua infra-estrutura e nossas tropas estão tomando áreas estratégicas da Faixa de Gaza". O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e o ministro da Defesa Moshe Yalom disseram que vão expandir as atividades militares. Eles convocaram mais 18 mil soldados da reserva, que deverão se apresentar na manhã desta sexta-feira e entrar em combate logo que possível. Não foram divulgados prazos para o fim da operação militar. A operação terrestre começou com bombardeios de artilharia pesada contra as cidades de Beit Hanoun e Beit Lahia, no norte da Faixa de Gaza. De acordo com fontes palestinas, três pessoas teriam morrido durante o ataque, incluindo uma criança. Em seguida, tanques entraram na Faixa de Gaza e começaram a disparar contra os alvos apontados como bases terroristas.

(Na foto, o chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Israel Benny Gantz, em reunião com generais para avaliar os primeiros resultados da invasão terrestre da Faixa de Gaza - Divulgação IDF)

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Crise no Oriente Médio - 8 perguntas e Respostas



1) Como começou a crise atual?

No dia 12 de junho, três jovens israelenses foram sequestrados e assassinados. Dois integrantes de uma célula do movimento terrorista Hamas são procurados por seu envolvimento no assassinato. Deixaram suas casas na cidade de Hebron no dia do sequestro e não retornaram mais. Seu objetivo era trocar os corpos dos jovens pela soltura de terroristas presos em Israel.
A pressão política e diplomática sobre o Hamas começou então a aumentar. Até mesmo o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, criticou duramente o assassinato dos jovens, em uma reunião de cúpula da Liga Árabe.
O movimento fundamentalista islâmico, que controla Gaza desde 2007 e já vinha em crise política e financeira, sentiu-se ainda mais isolado e pressionado. Optou pela tática de “o ataque é a melhor defesa”. De 12 de junho até 7 de julho, véspera da operação militar israelense, mais de 400 foguetes foram disparados contra Israel pelo Hamas e outros grupos terroristas menores.
A estratégia do Hamas rompeu um cenário de relativa calma na fronteira sul de Israel, predominante desde a operação militar israelense Pilar de Defesa, implementada em 2012 também com o objetivo de desmantelar a capacidade do Hamas de disparar foguetes.
Ao bombardear Gaza depois de quase um mês de ataques do Hamas, Israel busca destruir a capacidade do grupo terrorista de disparar contra alvos israelenses e busca recuperar relativa calma em suas fronteiras, protegendo a população civil.


2) Por que o Hamas optou pela escalada da violência neste momento?

O Hamas vive o momento de maior isolamento e enfraquecimento de sua história. Seu aliado ideológico, a Irmandade Muçulmana egípcia, é o principal inimigo do atual governo do Egito. O Cairo, nos últimos meses, fechou passagens na fronteira para Gaza e aumentou o isolamento do Hamas.
A guerra civil na Síria levou o Hamas a enfraquecer laços com o Irã, seu maior apoiador financeiro e militar dos últimos anos. O conflito na Síria acentua a divisão histórica do mundo muçulmano, entre xiitas e sunitas. De um lado, o ditador Bashar Al Assad representa a minoria alauíta, hoje aliada ao xiismo e ao Irã. De outro lado, os rebeldes representam os sunitas, a maioria da população síria.
Os palestinos são majoritariamente sunitas. O Hamas estava ao lado do Irã e da Síria numa aliança anti-EUA e anti-Israel. Mas a eclosão da guerra civil na Síria fez com que as divisões antigas prevalecessem.
Khaled Meshal, principal líder do Hamas, vivia na Síria e teve de se mudar para o Qatar, país sunita. O regime catariano passou a ser apoiador principal do movimento que controla Gaza. Mas recentemente o emirado diminuiu apoio ao Hamas, por pressão da Arábia Saudita e vizinhos, preocupados com crescimento de grupos fundamentalistas islâmicos na região. 
Resultado do complexo quadro regional: o Hamas passou a viver isolado politicamente, e sem recursos para, por exemplo, pagar seus funcionários. Com o recente fechamento dos túneis subterrâneos pelo Egito, perdeu uma de suas principais fontes de renda, o contrabando.
A liderança do movimento terrorista avaliou, depois do agravamento do quadro com o assassinato dos três jovens israelenses, que a forma de impedir maior isolamento e uma crise doméstica mais intensa seria repetir a tática de apostar num conflito armado com Israel para, numa negociação de cessar-fogo, arrancar concessões de países como Egito e Qatar, como, por exemplo, a reabertura de túneis na fronteira egípcia e mais apoio financeiro.

3) Se o objetivo do Hamas é conseguir ganhos políticos e financeiros por meio de uma estratégia de força, por que o governo israelense simplesmente não ignora a iniciativa de Gaza?

O governo israelense, entre 12 de junho e 7 de julho, propôs a formula “calma por calma” (“quiet for quiet”) e esperou quase um mês na tentativa de o Hamas desistir da escalada e parar de disparar foguetes.
Não é do interesse de Israel se envolver num conflito como o atual. Ao mesmo tempo, nenhum país do mundo pode tolerar que seu território seja alvo de foguetes disparados diariamente contra alvos civis.

4) Por que o número de mortes palestinas é tão maior do que as israelenses?

O governo de Israel, nos últimos anos, investiu pesadamente na construção de bunkers e no desenvolvimento do “Iron Dome” (Cúpula de Ferro), um moderno sistema de defesa que destrói mísseis inimigos em pleno ar.
A estratégia do Hamas é diferente. Os lançadores de foguetes contra Israel são colocados em áreas densamente povoadas, envolvendo a população civil no conflito e usando-a como escudo humano. Porões e salas de escolas, mesquitas e hospitais são transformados em depósitos de armas.


Plataforma de lançamento de mísseis em área densamente povoada, no distrito de Zeitoun, em Gaza. Foto: Aaron Klein.

Israel já anunciou que adota todas as medidas possíveis para diminuir o número de baixas civis. Por exemplo, avisa, por meio de folhetos ou comunicação telefônica, a população próxima a uma área a ser bombardeada. O Hamas, com sua rede de repressão, ameaça retaliar quem deixar suas casas após um aviso israelense.
O principal líder do Hamas, Khaled Meshal, vive confortavelmente no Qatar, um dos países mais ricos do mundo. A liderança do movimento em Gaza, quando começa o conflito, se esconde no subsolo do principal hospital da região.

5) Por que o Hamas dispara foguetes e acumula um crescente arsenal contra Israel?

Em sua carta de princípios, o Hamas prega a destruição de Israel. É um movimento fundamentalista, que tomou o poder por meio de um golpe em Gaza, em 2007, quando expulsou o Fatah, grupo palestino laico.
O Hamas se notabilizou pelo uso de homens-bomba em sua luta contra Israel, sobretudo entre 2001 e 2004. Mas as medidas de segurança tomadas pelos governos israelenses nos últimos anos reduziram praticamente a zero a infiltração de terroristas.
O Hamas trocou então homens-bomba por foguetes. Importante ressaltar que um israelense tem apenas 15 segundos entre o toque da sirene e chegar a um bunker para se proteger. Por isso, a população do país, sobretudo nas áreas mais próximas a Gaza, vive sob intenso estresse diário.
Outro ponto importante: Israel se retirou unilateralmente de Gaza em 2005. O Hamas destruiu, por exemplo, as estufas agrícolas e outras infraestruturas deixadas por Israel, preferindo investir “na luta contra o inimigo” e na criação de uma ditadura que expulsou o Fatah em 2007 e oprime diversas minorias, como cristãos e homossexuais.

6) Algumas análises afirmam que Israel atacou Gaza para impedir o avanço do “governo de união nacional” entre Fatah e Hamas, anunciado no começo de junho. É verdade?

O Hamas foi forçado a fazer o governo de união nacional com o Fatah por pressão de sauditas e catarianos. O grupo terrorista teve de abrir mão de diversas exigências prévias, como encabeçar um novo governo.
Arábia Saudita e Qatar querem hoje fortalecer aliados sunitas e moderados, como Abbas, porque temem o avanço de grupos fundamentalistas como a Irmandade Muçulmana egípcia ou o ISIS, que controla parte da Síria e do Iraque. As monarquias conservadoras do golfo Pérsico temem movimentos religiosos que surgiram e se desenvolvem fora do seu controle.
Portanto, sauditas e catarianos acharam um momento de “enquadrar” o enfraquecido Hamas e submetê-lo ao Fatah.
Dias depois do anúncio do governo de união nacional, houve o sequestro e assassinato dos jovens israelenses. O Hamas negou envolvimento na ação, mas elogiou os assassinos. Dois de seus integrantes são procurados pelo envolvimento nas mortes. Abbas, ao contrário, colaborou nas investigações e denunciou o sequestro em discurso na Liga Árabe.
As diferentes opções de Hamas e Fatah no episódio do sequestro e assassinato já colocaram em xeque a chamada “reconciliação”. Afirmar que Israel ataca Gaza para inviabilizar a aproximação entre Fatah e Hamas é diversionismo e representa ignorar a natureza dos atores políticos envolvidos na crise.

7) Qual a implicação regional e global do conflito em Gaza?

Até a eclosão da chamada Primavera Árabe, o conflito israelo-palestino era apontado por muitos analistas como maior fator de instabilidade no Oriente Médio. Essa narrativa se enfraqueceu profundamente nos últimos anos com as turbulências no Egito, Líbia, Iraque, Síria, cujas ditaduras mascaravam uma falsa estabilidade.
Infelizmente, o fim de ditaduras não significa o surgimento imediato de democracias, cuja construção leva décadas. No momento atual, grupos fundamentalistas islâmicos, mais organizados, têm se aproveitado da instabilidade para crescer em alguns pontos do Oriente Médio.
Um caso grave é o Estado Islâmico, criado na Síria e no Iraque por um grupo que surgiu como um braço da Al Qaeda. Seu projeto é criar um “califado” e impor a lei religiosa. O avanço preocupa, ao mesmo tempo, rivais como EUA, Irã, Arábia Saudita.
Nesse quebra-cabeça regional, Israel vê com preocupação o fortalecimento de grupos fundamentalistas, ainda que entre eles haja diferenças de origem religiosa ou ideológica. Mas todos eles têm em comum a rejeição a Israel e a uma sociedade com valores democráticos.

8) Depois do sequestro e assassinato de três israelenses, um jovem palestino foi morto, aparentemente num ato de retaliação. Como avaliar esse assassinato?

A morte do jovem palestino representa mais uma tragédia na triste espiral de violência que castiga o Oriente Médio. Com rapidez, a polícia israelense prendeu três suspeitos pelo crime, que serão julgados.
Na democracia israelense, o Estado de direito funciona. Basta lembrar, por exemplo, que um juiz árabe, de um tribunal israelense, condenou à prisão um ex-presidente de Israel, acusado de assédio sexual.

Fonte: http://www.beth-shalom.com.br/

terça-feira, 19 de agosto de 2014

(FOTOS)Novos submarinos israelenses estão quase prontos na Alemanha

A classe “Dolphin II” de submarinos construídos para a Marinha de Israel está quase pronta na Alemanha. São os maiores submarinos construídos pela Alemanha desde a Segunda Guerra Mundial e espera-se que quando entrarem em serviço estarão entre os mais eficazes do mundo.
Os três submarinos estão em diferentes estágios de construção na ThyssenKrupp Marine Systems em Kiel, Alemanha – TaninRahav e uma terceira unidade ainda não batizada. Os submarinos são maiores que os “Dolphin” Type 800 construídos para a Marinha de Israel na década de 1990: têm 68,6m versus 57,3m dos submarinos anteriores; 2.050 t de deslocamento na superfície e 2.400 t submersos, versus 1.565 t e 1.720 t.
O armamento é composto de 10 tubos lança-torpedos  – quatro de 650mm e seis de 533mm de diâmetro. Fontes dizem que eles levam torpedos guiados DM-2A4 Seehake, mísseis antinavio UGM-84C Harpoon e mísseis antiaéreos Triton.
Os submarinos são equipados com sistema de propulsão independente da atmosfera (AIP), que permite operações submersas estendidas sem a necessidade de usar o esnorquel.
Tanin (Crocodilo) foi entregue à Marinha de Israel em maio de 2012 e o Rahav (Coragem) em abril de 2013. Ambos permanecem na Alemanha para testes contínuos.















Fonte: O Poder Naval


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Empresa israelense de telefonia vai abrir capital na Bovespa

T4U aluga antenas de telefonia móvel para as principais operadoras de telecomunicações do país.
   
            Antena de celular em São Paulo: a T4U tem como clientes Oi, Vivo, Tim e Nextel

 A T4U Tower Management, empresa que aluga antenas de telefonia móvel para as principais operadoras de telecomunicações do país, pediu nesta sexta-feira o registro de companhia aberta e pode estrear na Bovespa nos próximos meses. Controlada pela Fishman Holdings, que tem participação de setores imobiliário, varejo, mídia na América do Norte, Europa e Rússia; e pela provedora de soluções totais de engenharia para telecomunicações Giltek, ambas israelenses, a T4U está há uma década no Brasil, informou a empresa à Reuters. A T4U, sigla para Tower For You, tem 51 funcionários próprios e tem como clientes Oi, Vivo, da Telefônica Brasil, Tim Participações e Nextel. Os planos de levantar capital chegam num momento de grande efervescência no setor, desde que as grandes operadoras do país passaram a vender as próprias torres de telefonia para empresas especializadas, com o objetivo de levantar recursos. Por entender que a estrutura de antenas deixou de ser um diferencial competitivo, as operadoras passaram a compartilhar as estruturas de antenas de telecomunicação, chamadas no setor de estação rádio-base. Há cerca de 68 mil desses equipamentos instalados no país, segundo dados da Telebrasil, associação das operadoras de telecomunicações. E esse número tende a crescer à medida que se expande a cobertura do serviço de 4G. Só em 2013 foram instaladas 8,5 mil antenas de 4G, segundo a entidade. Nesse mercado, a T4U tem entre as principais concorrentes a TorreSur, do grupo norte-americano de private equity Providence Equity Partners e a BR Towers. Há dois meses, a GP Investments vendeu a BR Towers por 2,18 bilhões de reais para a American Tower. Nesta sexta-feira, funcionários da T4U festejavam em São Paulo a conclusão dos arranjos que precederam o pedido de registro de companhia aberta. Mas um pedido para realizar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla en inglês), ainda não tem data para acontecer.

FONTE : REVISTA EXAME

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

A Inquisição - Saiba como foi

Inquisição (do latim: Inquisitio Haereticæ Pravitatis Sanctum Officium, é um termo que deriva do acto judicial de inquirir, o que se traduz e significa perguntar, averiguar, pesquisar, interrogar, etc.).


No contexto histórico europeu, conforme alguns entendimentos filosóficos actuais, a Inquisição foi uma operação oficial conduzida pela Igreja Católica a fim de apurar e punir pessoas por heresia. O que foi a Inquisição? A Inquisição ganhou mais relevo na época da Contra-Reforma com as crescentes suspeitas populares. Portanto, trata-se de uma inquirição, em assuntos de fé, evitando a condenação de alguém sem investigação prévia. Tecnicamente, Inquisição é confundida com "Tribunal do Santo Ofício". O segundo é uma entidade que tem por função fazer inquisições. Ao contrário do que é comum pensar, o "tribunal do Santo Ofício" é uma entidade jurídica e não tinha forma de executar penas. O resultado da inquisição, feita a um réu, era entregue ao poder régio, muitas vezes com o pedido de que não houvesse danos nem derramamento de sangue. Este tribunal era muito comum na Europa a pedido dos poderes régios, pois queriam evitar condenações por mão popular. Diz Oliveira Marques em «História de Portugal», tomo I, página 393: «(...) A inquisição surge como uma instituição muito complexa, com objectivos ideológicos, económicos e sociais, consciente e inconscientemente expressos. A sua actividade, rigor e coerência variavam consoante as épocas.» As origens da Inquisição remontam a 1183, no averiguação dos cátaros de Albi, no sul de França por parte de delegados pontifícios, enviados pelo Papa. A instituição da Inquisição se deu no Concílio de Verona. Numa época em que o poder religioso se confundia com o poder real, o Papa Gregório IX, em 20 de Abril de 1233, editou duas bulas que marcam o reinício da Inquisição. Nos séculos seguintes, ela julgou, absolveu ou condenou e entregou ao Estado (que aplicava a "pena capital", como era comum na época) vários de seus inimigos propagadores de heresias. Convém lembrar que ser cristão era entendido para lá de uma religião. Ser cristão era a maneira comum de ser e pensar. Um inimigo do cristianismo era entendido como inimigo do pensar comum e da identidade nacional. A bula Licet ad capiendos (1233), a qual verdadeiramente marca o início da Inquisição, era dirigida aos dominicanos inquisidores: Onde quer que os ocorra pregar estais facultados, se os pecadores persistem em defender a heresia apesar das advertências, a privá-los para sempre de seus benefícios espirituais e proceder contra eles e todos os outros, sem apelação, solicitando em caso necessário a ajuda das autoridades seculares e vencendo sua oposição, se isto for necessário, por meio de censuras eclesiásticas inapeláveis. A privação de benefícios espirituais era a não administração de sacramentes aos heréticos, que caso houvesse ripostação deveria ser chamada a intervir a autoridade não religiosa (casos de agressão verbal ou física. Se nem assim a pessoa queria arrepender-se era dada, conscientemente, como anátema (reconhecimento oficial da excomunhão): "censuras eclesiásticas inapeláveis". O uso da tortura era, de facto, bastante restrito e, aos poucos, foi sendo extinto dos processos inquisitoriais. Esta era apenas autorizada quando já houvesse meia-prova, ou quando houvesse testemunhas fidedignas do crime, ou então, quando o sujeito já apresentasse antecedentes como má fama, maus costumes ou tentativas de fuga. E ainda assim, conforme o Concílio de Viena, de 1311, obrigava-se os inquisidores a recorrerem à tortura apenas quando o bispo diocesano, junto de uma comissão julgadora, houvesse aprovado a mesma em cada caso em particular. Também é sabido que a tortura aplicada pela inquisição era, por demais, mais branda que a aplicada pelo poder civil, não permitindo, de forma alguma, amputação de membros (como era comum na época), e não permitindo perigo de morte. Convém explicar que a tortura era um meio incluído no "inquiridio". São mais comuns os casos de endemoninhados ou réus em suspeita mentira. No entanto, e bem mais tarde, já em pleno século XV, os reis de Castela e Aragão, Isabel e Fernando, solicitam, e obtêm do Papa a autorização para a introdução de um Tribunal do Santo Ofício: a Inquisição. Tal instituição afigurava-se-lhes necessária para garantir a coesão num país em unificação (foi do casamento destes dois monarcas que resultou a Espanha) e que recentemente conquistara terras aos mouros muçulmanos na Península Ibérica e expulsara alguns dos judeus, por forma a obter «unidade» nacional que até ali nunca existira. A acção do Tribunal do Santo Ofício tratou de mais casos depois da conversão de alguns judeus e mouros que integravam o novo reino. Alguns judeus e mouros preferiram renegar as suas religiões, e abraçar o cristianismo, a abandonar a nova terra conquistada. A estes é dado o nome de "cristãos-novos": alguns esqueciam de facto a religião dos seus antepassados, outros continuavam a praticar secretamente a antiga religião. Eram frequentes os levantamentos populares e muitas denuncias por parte dos "cristãos velhos". Sendo essencialmente um tribunal eclesiástico, desde cedo o reino, o poder régio se apossou do mesmo, por forma a prosseguir os seus particulares fins económicos, esquecendo o fundamental "inquiridio" aos réus por motivos religiosos. Tomado pelo poder régio, o Tribunal da Santa Inquisição, em Espanha, deu azo a uma persistente propaganda por parte dos inimigos da Espanha católica: ao sujeitar o poder da fé ao poder da lei, da coação, e da violência, a Inquisição espanhola tornou-se, no imaginário colectivo, uma das mais tenebrosas realizações da Humanidade.



Mais tarde, em certas regiões da Itália, e em Portugal, o Papa autorizou a introdução de instituições similares, em condições diferentes. No caso de Portugal, a recusa do Papa ao pedido, tendo visto os abusos da Espanha, mereceu que o rei tivesse como alternativa ameaçar com a criação de uma "inquisição" régia, que segundo ele era coisa urgente para o reino. De facto, a introdução da Inquisição em Portugal resultou das pressões espanholas que, para além de uma sinceridade zelota, não queriam ver o reino rival beneficiar com os judeus e mouriscos expulsos de Espanha. 

Fonte: Cafetorah

domingo, 27 de julho de 2014

Hamas viola o seu próprio cessar-fogo

Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu deu entrevista à CNN. Hamas declarou aceitar trégua de 24 horas na manhã deste domingo (27). O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse em entrevista à CNN neste domingo (27) que o Hamas violou o seu próprio cessar-fogo, informou a agência Reuters. Perguntado se Israel aceitaria a oferta de trégua, Netanyahu disse que "o Hamas não aceita o seu próprio cessar-fogo e continua a disparar contra nós, como nós falamos". Netanyahu acrescentou que Israel "sempre vai tomar todas as medidas necessárias para proteger o nosso povo". Fonte : CNN

sábado, 26 de julho de 2014

Israel aprova nova trégua de 24 horas a pedido da ONU; Hamas mantém ataques


O gabinete de segurança de Israel aprovou uma proposta feita pela ONU (Organização das Nações Unidas) de que a trégua humanitária deste sábado (26) fosse estendida por mais 24 horas, segundo porta-voz das Forças Armadas, o coronel Peter Lerner. O Hamas rejeitou a medida e manteve os disparos de foguetes. A trégua unilateral de Israel deve ocorrer até a meia-noite no horário local (18h de Brasília) deste domingo (27). Durante o período, as Forças Armadas de Israel vão continuar em missão terrestre e podem responder caso sejam atacadas pelos radicais islâmicos. O porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum, rejeitou a extensão do cessar-fogo afirmando que "qualquer trégua humanitária não terá valor sem a retirada dos tanques israelenses da Faixa de Gaza, sem que seus habitantes possam voltar as suas casas e sem que as ambulâncias transportando os corpos possam circular livremente".Em entrevista à "CNN" neste sábado, Lerner confirmou que a operação israelense vai se concentrar em destruir com explosivos os túneis criados pelo Hamas e outros grupos radicais islâmicos. Os túneis, alguns com até 3 km de extensão, servem para que terroristas acessem locais fora de Gaza, disse o militar, e cometam ataques e sequestros. A segunda fase, prosseguiu Lerner, será destruir locais que possam abrigar mísseis.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Brasileiros em Israel organizam protesto contra posição do Itamaraty

O ato está marcado para o dia 1º de agosto, em frente à Embaixada Brasileira de Tel Aviv.



Brasileiros que vivem em Israel participarão de uma manifestação contra a posição do Itamaraty a respeito do conflito entre israelenses e palestinos. O ato está marcado para o dia 1º de agosto, em frente à Embaixada Brasileira de Tel Aviv. Nesta quarta (23), a diplomacia brasileira emitiu uma nota condenando o que chamou de "uso desproporcional da força" por Israel, e não mencionou o Hamas, organização que controla a faixa de Gaza. A intenção dos organizadores era realizar a manifestação nesta sexta (25), mas a polícia israelense exige que protestos sejam comunicados com cinco dias de antecedência. "O governo brasileiro está dando incentivo para que o Hamas continue jogando foguetes aqui, que podem atingir brasileiros. O que o governo faria se algum brasileiro se ferisse?", disse o paulista André Lajst, que mora em Tel Aviv e é um dos organizadores do evento. "Se eles tivessem condenado as duas partes, nada disso estaria acontecendo", completou. "Poderiam demonstrar preocupação, como todos os países do mundo". Lajst está organizando o ato com o também brasileiro Daniel Rabetti, e mais de 2 mil pessoas já foram convidadas. Os dois participaram de uma manifestação realizada em Israel contra a corrupção no governo brasileiro, no ano passado. O ato foi em solidariedade aos protestos de junho ocorridos no Brasil. A nota emitida pelo Itamaraty gerou reação do governo israelense, que disse que o Brasil é diplomaticamente inexpressivo. 

Fonte: Gazeta do Povo


quarta-feira, 23 de julho de 2014

ONU aprova investigação sobre a ofensiva de Israel contra Gaza


O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou nesta quarta-feira (23) uma resolução que condena Israel por sua atual ofensiva militar sobre Gaza e cria uma comissão para investigar crimes e violações do direito internacional durante essa operação.
Sobre a comissão investigadora, o documento destaca que terá personalidade independente e internacional, e que deve viajar de forma urgente aos territórios palestinos para realizar sua investigação.
Suas indagações deverão cobrir o período desde o dia 13 de junho, além de incluir a identificação dos responsáveis dos crimes e recomendar medidas para que sejam julgados por seus atos.
"Tudo isto com o propósito de evitar e pôr fim à impunidade, e garantir que os responsáveis prestem contas", indica a resolução.
Todos os países europeus membros de Conselho - Alemanha, Itália, França e Reino Unido, entre eles - preferiram abster-se na votação, depois que mais cedo insistiram que tanto Israel como o movimento islamita palestino Hamas deviam fazer esforços para deter as hostilidades e aliviar o sofrimento da população.
O documento, que tem um extenso preâmbulo e 16 parágrafos resolutivos, não faz nenhuma menção aos lançamentos de foguetes de Gaza contra Israel.
Na única referência a isso, o Conselho condenou "a violência contra os civis, onde ocorra, incluindo o assassinato de dois civis israelenses como resultado do tiro de foguetes".
Fonte: Gazeta do Povo 
Meu Comentario:
Incrível como é as coisas, tudo para Israel é complicado, a agressão partiu do Hamas que sistematicamente lança Mísseis contra Israel da faixa de Gaza, utilizando de tuneis e muitas das vezes usando casas de Civis inocentes como base, mas quando a ONU faz uma reunião pra tratar do assunto eles falam apenas do contra-ataque de Israel contra esses terroristas do Hamas, e em nenhum momento faz menção aos lançamentos de Mísseis do Hamas contra Israel.

Hamas utiliza crianças como escudo humano em GAZA

  1. Hamas usa mulheres e crianças como escudo humano
  2. Hamas dispara mísseis de residências de civis e obriga os moradores a não sair da casa, trazendo sobre eles a morte certa. Se tentarem sair, ele o Hamas os matará, se não saírem correm o risco de morrer por causa do contra-ataque de Israel
  3. Os líderes do Hamas conclamam seu povo a bravura, mas todos eles estão escondidos no subsolo de hospitais e escolas com medo de serem exterminados por Israel
  4. Hamas é capaz de por seu povo em perigo e sofrimento em uma operação militar contra Israel só para conseguir dinheiro para pagar os salários dos terroristas
  5. Hamas, ao invés de incentivar o desenvolvimento dos moradores de Gaza, incentiva a violência, o contrabando de ramas e todos os recursos que recebe de outros países usa no terrorismo, ao invés de pagar salários, construir escolas e incentivar a produção industrial e agrícola
  6. Hamas é o único grupo terrorista do mundo que "governa" um país
  7. A palavra Hamas na bíblia hebraica significa Violência, Terror, Agressividade
  8. Hamas derrubou o governo do Fatah, a Autoridade Palestina na faixa de Gaza, e afim de não ter oposição, simplesmente matou todos os membros do Fatah em uma das mais macabras caça às bruxas no Oriente Médio, ninguém matou mais palestinos do que o próprio Hamas
  9. Hamas ensina crianças tenras a odiarem Israel desde os primeiros anos de vida, mesmo assim, há ex-membros do Hamas que trabalham para o serviço de inteligência de Israel ajudando a salvar vidas inocentes na Terra Santa
  10. Os palestinos da Faixa de Gaza não podem falar nada sobre o Hamas, nem criticar nenhum de seus atos sobre a punição de morte, ele temem mais o Hamas do que os ataques das Forças de Defesa de Israel
Conforme os dias vão passando, a violência entre Israel e os palestinos de Gaza vai crescendo.
Um dia violento a mais: 2 soldados e 30 terroristas morreram ontem durante os conflitos em Sajaya.
As Forças de Defesa de Israel estão praticamente acabando a operação na região de Sajaya no nordeste da Faixa de Gaza, e a operação deve avançar rumo ao centro da Cidade de Gaza.
Os terroristas do Hamas continuam utilizando as crianças como escudo humano, na foto abaixo você pode ver muitas crianças sobre o telhado de uma casa de um terrorista e uma multidão junto com eles defendendo criminosos.

Mais de 150 terroristas já foram mortos pelas Forças de Defesa de Israel, o motivo é para não baixar a moral dos seus guerrilheiros e seus familiares, mas o pvo em Gaza já começa a se revoltar contra o grupo de terroristas.
Hoje, infelizmente, junto com os 100 mortos, haviam 60 civis que segundo informações dos meios de comunicação, o Hamas havia obrigado-os a continuar no meio dos terroristas como escudo humano.
Pela primeira vez o Hamas está com vergonha de mostrar seus mortos, entre eles, muitos de seus militantes e seus parentes, a revolta começa a tomar conta da população de Gaza contra o grupo.
Segundo os meios de comunicação, esta foi a primeira vez que famílias de palestinos estão acusando o Hamas pela situação catastrófica que o território de Gaza está e o grande número de mortos.
As Forças de Defesa de Israel estão pedindo aos moradores, desde o começo da operação para abandonarem as regiões de onde se disparam mísseis, casas onde estão mísseis, e toda proximidade com terroristas, mas o Hamas obrigou e continua obrigando os palestinos a "protegerem" os terroristas com suas mulheres e crianças.
Fonte: Cafetorah 



terça-feira, 22 de julho de 2014

Ministro do Exterior do Egito: Não mudaremos proposta de cessar fogo para agradar o Hamas


O Ministro do Exterior do Egito fez uma declaração surpreendente durante esta manhã no país das pirâmides: "Não adoçaremos a proposta para o Hamas, não temos a intensão de mudar a proposta afim de agradar o Hamas. A proposta de cessar fogo foi feita afim de atender as necessidades de ambos os lados", declarou o Ministro egípcio. A proposta de cessar-fogo que foi aceita imediatamente pelo Estado de Israel foi recusado pelo grupo terrorista, desde então, o Estado de Israel está realizando uma intervenção por terra dentro da faixa de Gaza, destruíndo dezenas de túneis escavados por grupos terroristas. Em Israel, a rede de túneis dos terroristas está sendo chamada de "Gaza Subterrânea", e é nela que o Hamas está escondendo seus armamentos, seus terroristas e seus líderes, agora é uma questão de dias até que o Estado de Israel ponha fim na alegria dos assassinos. 

Fonte: Cafetorah

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Israel aceita acordo de paz proposto pelo Egito, mas Hamas rejeita e continua a atacar Israel




Proposta de cessar-fogo foi elaborada pelo Egito.
A proposta egípcia pedia um cessar-fogo imediato e uma série de reuniões no Cairo com a participação de delegações de alto nível de ambos os lados.
O gabinete político e de segurança de Israel aceitou a proposta para um cessar-fogo com as facções armadas na Faixa de Gaza feita pelo Egito. Pela proposta ambos os lados deixariam de se agredir mutuamente  as nove horas locais, porém o Hamas recusou qualquer proposta de paz.
O Hamas, que controla Gaza, não respondeu formalmente, mas o braço armado do grupo rejeitou o acordo classificando a iniciativa como uma "rendição".
Durante todo o dia houve ataque a Israel, culminando com a primeira morte de civil em territorio Israelense.
O braço armado do Hamas, as brigadas Izz al-Din Qassam, diz que seus ataques irão "aumentar em força e intensidade" ao menos que Israel liberte prisioneiros e colabore com o Egito para aliviar as restrições econômicas impostas à Gaza.
"O Hamas teve sete horas para estabelecer uma posição e rejeitaram a proposta de cessar-fogo... ela foi rejeitada com palavras e atos", disse o porta-voz do governo israelense, Mark Regey, à BBC.
"Concordamos com a proposta egípcia para dar uma oportunidade à desmilitarização da Faixa de Gaza - de mísseis, foguetes e túneis - por meios diplomáticos", disse Netanyahu.
"Mas se o Hamas não aceitar a proposta de cessar-fogo, como parece ser o caso, Israel terá toda a legitimidade internacional para ampliar sua operação militar e conquistar a calma."
Poucas horas depois do anúncio de Israel, um foguete lançado a partir da Faixa de Gaza atingiu a cidade israelense de Ashdod. As autoridades israelenses não têm notícias de feridos.
Com a recusa do Hamas e o continuo ataque a Israel, as forças de defesas israelenses retomaram os ataques contra alvos terroristas na faixa de Gaza de onde vem os foguetes que atinge diariamente Israel.
Fonte: BBC Brasil

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Ramadã - Enquanto os muçulmanos oram a Alá, oremos por eles!

De 28 de junho a 27 de julho inicia o Ramadã.

Perido de oração para os mulçumanos!!
Ore pelo mundo muçulmano durante ramadã, cristãos em diversos países estarão em oração pelos muçulmanos. É um momento propício para que o amor de Deus se revele e muitos encontrem a verdade. "De todos os meses do ano, o Ramadã é o momento em que nós, cristãos, devemos nos dedicar mais à oração por nossos amigos e vizinhos muçulmanos. Este é o melhor momento para mostrar-lhes o verdadeiro amor de Cristo!", cristão egípcio. Participe! Ore pelo mundo muçulmano.

 

 Durante o ramadã, ore pelos cristãos presos

 

 "Lembrem-se dos que estão na prisão, como se aprisionados com eles; dos que estão sendo maltratados, como se fossem vocês mesmos que o estivessem sofrendo no corpo." Hebreus 13.3 

Amontoadas em um contêiner, que era sua cela de prisão, o calor sufocante, piolhos e pulgas eram pura tortura para as mulheres. A cantora cristã Helen Berhane passou quase três anos neste contêiner. Nas suas próprias palavras, ela fala do momento em que soube o verdadeiro significado da alegria:
"Todos estavam muito desencorajados e muitas mulheres estavam famintas. Elas me perguntaram o que deveríamos fazer e eu sabia que elas estavam esperando que eu dissesse que deveríamos gritar ou bater no contêiner para mostrar aos nossos captores que não iríamos mais tolerar este tipo de tratamento. Mas eu lembrei [que tinha lido] que cristãos, assim como rouxinóis, não poderiam ser impedidos de cantar, mesmo em cativeiro. Então sugeri que cantássemos. ‘Nós devemos louvar a Deus’, eu disse, ‘apesar das pulgas, apesar dos piolhos, apesar do calor. Nós devemos agradecer a Deus apesar das nossas circunstâncias’. Então eu comecei a cantar com elas e orar e compartilhar a palavra de Deus que havia guardado em minha memória."

Hoje, segundo dia do ramadã, enquanto o sol se põe, reúna sua família e cante canções de louvor. Compartilhe como Deus enche o seu povo de alegria e lembre-se daqueles que não podem se reunir nem louvar abertamente.

Pedidos de oração

  • Ore por aqueles que estão na prisão, para que Deus os encha com alegria e eles sejam fontes de felicidade e refúgio para seus companheiros de cela.
  • Clame também por aqueles que perderam sua alegria em meio à dor, para que eles voltem a depositar a sua esperança em Deus. 
 Fonte : Missão Portas Abertas (https://www.portasabertas.org.br/noticias/2014/06/3200329)

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Confronto entre Israel e Hamas corre risco de generalizar para uma guerra

Pelo menos sete combatentes palestinos morreram em ataques em Gaza. Distúrbios aumentaram com morte de palestino por extremistas judeus.
Soldados israelenses são vistos em veículo armado perto da fronteira entre Israel e a Faixa de Gaza nesta segunda-feira (7) (Foto: Ariel Schalit/AP)

O confronto entre Israel e Hamas corre o risco de se transformar em um conflito generalizado após a morte de pelo menos sete combatentes palestinos em Gaza, num momento em que aumentam os distúrbios após o assassinato de um adolescente palestino por extremistas judeus. Quatro ativistas do braço militar do Hamas, que governa a Faixa de Gaza, morreram em um ataque israelense contra um túnel em Rafah, ao sul do território, segundo várias testemunhas e os serviços de emergência locais. Outros dois membros das brigadas Ezedin al-Qassam desapareceram. A imprensa israelense atribuiu o incidente a uma explosão de origem indeterminada. A região tem muitos túneis que servem para o contrabando a partir do Egito, assim como galerias subterrâneas usadas por comandos para se infiltrar por trás das linhas israelenses ou lançar foguetes. Um combatente palestino faleceu pelos ferimentos sofridos em outro ataque israelense em um campo de treinamento das brigadas de Al-Qassam em Rafah. O exército israelense indicou em um comunicado que havia atacado "nove posições terroristas e pontos de lançamento de foguetes na Faixa de Gaza". Desde a noite de domingo, ao menos 14 projéteis atingiram o sul de Israel, um dos quais feriu levemente um militar e provocou danos materiais. Um dos foguetes atingiu os bairros periféricos da cidade de Beersheva, a capital do deserto de Neguev, a 50 km da Faixa de Gaza, sem deixar vítimas. O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, se comprometeu a "fazer o necessário para recuperar a paz e a segurança" no sul de Israel. Mas convocou seu governo a se abster de declarações incendiárias para evitar um confronto generalizado. "A experiência nos demonstrou que, num momento como esse, devemos agir de forma responsável e com a cabeça fria para nos abster de declarações duras e impetuosas", declarou Netanyahu aos seus ministros. Esta linha prudente gerou divergências dentro da coalizão conservadora. O ministro das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, um falcão ultranacionalista, anunciou nesta segunda-feira o fim da aliança com o partido Likud do primeiro-ministro, mas sem abandonar o governo. 
 
Extremistas judeus confessam assassinato 

Três dos seis israelenses detidos pelo sequestro e assassinato na semana passada de um adolescente palestino confessaram o crime, indicou nesta segunda-feira uma fonte próxima ao caso. "Três dos seis suspeitos detidos confessaram ter assassinado e queimado Mohamed Abu Khder, e realizaram uma reconstituição do crime" diante dos policiais, declarou à AFP a fonte, que pediu o anonimato. O crime provocou novos episódios de violência durante a noite. "Cerca de 110 pessoas foram detidas durante a noite por perturbar a ordem pública, lançar pedras, destruir mobiliário urbano e atacar as forças de ordem", indicou à AFP Luba Samri, um porta-voz da polícia. A maioria dos incidentes ocorreu no "Triângulo", nome da região da Galileia onde se localizam as cidades de maioria árabe. Em Nahf e Nazaré, manifestantes encapuzados incendiaram pneus e bloquearam várias ruas. As revoltas se converteram em protestos antirracistas, já que a minoria árabe de Israel, cerca de 160.000 palestinos que permaneceram em suas terras após a criação do Estado hebreu, em 1948, denunciam há décadas discriminações no emprego e na educação. Também ocorreram incidentes deste tipo, com 12 detidos, no sul de Israel e nos arredores de Beersheva, onde vive uma importante comunidade beduína, indicou a polícia. Em Hadera (norte de Israel), centenas de pessoas participaram em uma manifestação antirracista na noite de domingo, que se encontrou com um protesto da extrema direita israelense. A polícia dispersou os dois movimentos e deteve 45 pessoas. 

Beira de Uma Guerra 

O conflito entre israelenses e os palestinos na Faixa de Gaza continua e parece estar a caminho de mais uma guerra. As Forças de Defesa de Israel atacaram durante esta noite usando aviões da Força Aérea F15 contra alvos terroristas da organização terrorista Hamas na Faixa de Gaza, logo após disparos os de foguetes por parte dos terroristas. Nos últimos dias o disparo desde Gaza é contínuo e incessante contra o território israelense. As principais metas do contra-ataque de Israel foram as bases de treinamento e os depositos de armamentos em aterros e outros locais de armazenamento de armas. O IDF publicou em seu site uma nota de que está preparado para defender os cidadãos de Israel contra qualquer ameaça, e vai continuar a agir de forma decisiva e com as medidas necessárias até o retorno da paz e da rotina adequada. O Estado de Israel não reconhece a autoridade do Hamas em Gaza, considera-o um grupo terrorista, porém independente de ser o Hamas que dispara ou não, vê o grupo terrorista como responsável por todo e qualquer ataque disparado de Gaza contra a Nação de Israel. Os ataues se iniciaram desde o sequestro dos jovens em que os grupos terroristas aproveitaram a oportunidade para disparar ainda mais contra o Estado de Israel, Israel por sua vez não deixa de revidar a afronta de grupos terroristas. Hoje pela manhã, o Ministro da Economia Yair Lapid esteve visitando as casas dos israelenses que foram atingidas no bombardeio dos palestinos, felizmente não houve da parte de Israel nenhuma baixa. No setor diplomático, autoridades israelenses declararam que o Estado de Israel não tem interesse em um conflito diante de Gaza, mas que se a afronta palestina continuar, as Forças de Defesa de Israel estarão prontos para responder com toda força. Caso o fogo disparado contra Israel continue ou aumente, poderemos ver mais um grande conflito que se sabe como começa mas não se sabe como termina. Pelo que tudo indica, estamos a beira de um conflito. 

Fonte: G1  Mais Cafetorah
← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial